O estado das pinturas na maioria dos edifícios é habitualmente muito precário devido à ausência de ações de limpeza e repintura. A ausência de uma “pele” eficaz que proteja o edifício acabará por atingir os rebocos que sofrem infiltrações por ação da água da chuva e consequentemente se transmitem por capilaridade para o interior das habitações e sobretudo para as estruturas. Para além da água, também as deformações e os movimentos do edifício imprimem um ciclo de degradação dos revestimentos difícil de travar.

As humidades provocam anomalias graves e são responsáveis por um acelerado processo de envelhecimento de um edifício.

SABIA QUE…

Uma pintura eficaz e adequada às características do suporte de uma construção pode proteger por muitos anos as paredes dos edifícios e que um isolamento à base de tintas impermeáveis ao vapor de água conduzirá os rebocos a uma deterioração precoce muito acentuada.